Ligue grátis:
☎ +49 89 244473 702 (International)
Autohuur Zuid-Afrika Car rental South Africa Mietwagen Südafrika Autohuur Zuid-Afrika Biluthyrning Sydafrika Location de voitures Afrique du Sud Alquiler de coches Sudáfrica Autonoleggio Sudafrica Billeje Sydafrika Bilutleie Sør-Afrika Autovuokraamo Etelä-Afrikka Aluguer de carros África do Sul Wypożyczalnia samochodów RPA Autovermietung Südafrika Mietauto Südafrika
Aluguer de Carros África do Sul

Aluguer de Carros África do Sul

Início

EasyTerra Aluguer de Carros África do Sul é uma empresa independente. O nosso sistema compara as tarifas de empresas de aluguer de automóveis bem conhecidas em África do Sul, assegurando assim que consegue reservar um automóvel de aluguer económico.

Onde deseja alugar automóvel?

Entrega noutro lugar?

Onde deseja entregar o seu carro alugado?

Data de recolha
às
Data de entrega
às
Pesquisar
Grandes Marcas. Enorme Escolha. Grande Poupança!

Informação de lugar para África do Sul

Aluguer de automóveis África do Sul
Aluguer de automóveis África do Sul

Introdução

A África do Sul está localizada no extremo sul do continente africano. Viajar através da África do Sul é uma grande aventura. A paisagem varia de zonas montanhosas a desertos e planícies tropicais. As temperaturas são agradáveis todo ano e, em geral, há pouca chuva. A África do Sul é um país diversificado em mais de um sentido. A diferença entre ricos e pobres é ainda muito grande e existem vários grupos populacionais.

História

A África do Sul é uma das áreas arqueológicas mais antigas de África. Os vestígios encontrados datam de milhões de anos atrás. O país foi habitado por diferentes grupos populacionais, como os Khoi e os San, considerados os habitantes mais antigos de África.

Em 1652, o holandês Jan van Tiebeeck fundou um posto na África do Sul. O objectivo deste posto era armazenar provisões e pertencia à Companhia United East-India (VOC). Muitos navios usavam o posto como uma paragem de descanso no seu caminho para oriente. Mais tarde, famílias mudaram-se para este país africano e o posto começou a assemelhar-se a uma colónia agrícola. Além de holandeses, também alemães, franceses e escoceses  se instalaram na África do Sul. Durante o governo holandês, houve falta de mão-de-obra. Para resolver o problema foram  trazidos escravos da Indonésia, Madagascar e Índia. A cultura da população indígena foi destruída pelos colonos.

Em 1795, chegaram os britânicos. Queriam assegurar-se de que o país não cairia nas mãos dos franceses. Em 1797, ganharam o controle da ponta sudoeste de África: o Cabo da Boa Esperança. Em breve, os britânicos proibiram a escravidão. Seguiu-se um período de instabilidade. Muitos agricultores mudaram-se para o interior e quiseram fundar as suas próprias repúblicas. Um grupo étnico africano, os zulus, revoltaram-se contra isto e conseguiram expulsar os agricultores. Um pouco mais tarde, os britânicos conseguiram efectivamente controlar o território zulu.

Nos finais do século XIX, foram descobertos os diamantes e o ouro. Estas descobertas estimularam o crescimento económico e iniciaram uma onda de imigração. Novos colonos chegaram ao país e a população indígena foi ainda mais subjugada. Os boors (descendentes de holandeses, franceses e alemães, entre outros) revoltaram-se diversas vezes contra o domínio britânico. Estas rebeliões foram chamadas de guerras Boor. Os boors conheciam bem o território e usavam tácticas de guerrilha. Acabaram por ser derrotados pelas tropas britânicas.

Em 1902, foi feito um acordo. Os britânicos ganharam o controle de todas as repúblicas e as escolas foram obrigadas a ensinar inglês. A população não-branca não tinha direito de voto: este foi o fundamento para o que mais tarde veio a ser conhecido como Apartheid. Os boors revoltaram-se uma vez mais: não queriam aprender inglês. A língua Afrikaner começara a desenvolver-se.

Em 1910, foi criada a União da África do Sul reunindo as repúblicas Colónia de Cape, Estado Livre de Orange e Transvaal. Louis Botha tornou-se o primeiro Primeiro Ministro do país. Com Jan Smuts, fundou o Partido Sul Africano. Em 1934, este partido uniu-se com o Partido Nacional formando o Partido Unido. Este partido desmembrou-se com o desencadear da Segunda Guerra Mundial. A União apoiou a Grã Bretanha, mas o Partido Nacional apoiou a Alemanha nazi. Após a Segunda Guerra Mundial, os separatistas de direita (Partido Nacional) ganharam poder na África do Sul. Este partido pretendia aumentar a segregação racial (Apartheid). A população negra tinha poucos direitos. Organizações políticas negras foram eliminadas. Em 1960, a África do Sul tornou-se independente. O país era uma república. A população negra revoltou-se várias vezes contra o Apartheid. O governo respondeu violentamente e muitos foram mortos. Muitos dos oponentes ao Apartheid foram presos. Um deles foi um jovem chamado Nelson Mandela, que viria a ser libertado 27anos mais tarde.

No estrangeiro dava-se muita atenção ao Apartheid. Vários países recusaram-se a negociar com a África do Sul. Em 1990, o governo sul-africano caiu. O Apartheid foi abolido. Nelson Mandela do CNA (Congresso Nacional Africano) foi o ganhador indiscutível das novas eleições. Tornou-se o primeiro presidente negro da África do Sul.

O comércio com o exterior foi retomado e a África do Sul tornou-se membro das Nações Unidas. A saúde e a educação também melhoraram. Hoje, o CNA continua a ser o partido governante. Apesar dos muitos melhoramentos, o país enfrenta  pobreza em larga escala, crime e uma epidemia crescente de SIDA.

Sociedade e cultura

A África do Sul tem cerca de 45 milhões de habitantes. A diversidade de culturas, línguas e religiõesé uma das características do país. Três quartos da população é negra. Estes habitantes pertencem a vários grupos étnicos. Com cinco milhões de pessoas, os zulus são o maior grupo étnico. Outros grandes grupos negros são os Soto-Norte, Soto-Sul, os Xhosa, os Tswana, os Swasi e os Venda. Menos de 14% de toda a população é branca. Descendem dos imigrantes coloniais (holandeses, alemães, franceses e britânicos). A média de esperança de vida entre os brancos é maior do que entre os negros. Cerca de 9% da população é constituída por pessoas de cor, descendentes de escravos africanos e asiáticos dos tempos de domínio holandês. A comunidade encontra-se dividida: uma parte é mais atraída pelos habitantes brancos, enquanto que a outra parte sente-se mais próxima da população negra. Uns 3% da população sul-africana é de origem indiana, descendentes de trabalhadores contratados vindos da Índia britânica. Também desde 1920 que muitos chineses imigraram para a África do Sul.

A maioria da população (mais de 70%) é cristã. Várias igrejas abriram a suas portas  tanto à comunidade negra como à branca. As igrejas negras independentes têm no total mais de 6 milhões de membros. Estas igrejas seguem tradições africanas e opõem-se às convicções europeias. Existem três igrejas para habitantes brancos: a Neder-Duitse GereformeerdeKerk, a Neder-Duitse Hervormde Kerk e a Igreja Reformista de África. A maioria da população indiana é hindu. Outros indianos,e também outros grupos de cor, aderem à fé islâmica. Também existem muitas tribos africanas com os seus rituais indígenas.

No passado, a África do Sul teve duas línguas oficiais: o inglês e o afrikaans. Esta última, desenolveu-se a partir da língua holandesa e ainda se lhe assemelha. Actualmente, não tem menos de onze línguas oficiais: Inglês, Afrikaans, Zulu, Swazi, Ndebele, Soto-norte, Soto-sul, Tsonga, Tswana, Venda e Xhosa. Além destas línguas oficiais, existem muitos dialectos diferentes (por exemplo, os dialectos San). Um pequeno número de sul-africanos fala Alemão e Português,

A imensa variedade de culturas faz da Áfricado Sul um cadinho cultural. A música e a dança, por exemplo, são muito diversas. A música é muito popular e está centrada nos géneros europeus. O país mantém vivas a música e a cultura tradicionais. Infelizmente a cultura tradicional está lentamente a desaparecer.

Situação política

A África do Sul é uma república. O Parlamento é constituído pelo Conselho Nacional das Províncias (com 90 membros) e pela Assembleia Nacional (com 400 membros). De cinco em cinco anos o presidente é eleito pela Assembleia Nacional. Desde 1999 que Thabo Mbeki é o presidente do país. Este elege um vice-presidente entre os membros da Assembleia Nacional. Desde 2005 que Phumzile Mlambo-Ngcuka é o vice-presidente da África do Sul.

A população a partir dos 18 anos de idade tem direito a voto. De quatro em quatro anos o povo elege os representantes da Assembleia Nacional. O país está dividido em nove províncias, cada uma com poder legislativo próprio. Os membros do governo provincial também são eleitos pelo povo.

O actual cenário político é dominado pelo CNA (Congresso Nacional Africano). Este partido foi fundado em 1912 e apoiou os direitos da população negra. A Aliança Democrática (AD) é a principal rival do CNA. No entanto, nas eleições de 2005 o CNA conseguiu 70% dos votos.

Economia

A economia do país é caracterizada pela diferença entre ricos e pobres. Nas maiores cidades e  seus arredores a economia é desenvolvida e moderna. Cidade do Cabo, Port Elizabeth, Durban, Pretória e Joanesbrugo são as áreas mais desenvolvidas. Fora delas existe muita pobreza. A diferença entre pobres e ricos é maior apenas na Índia e no  Brasil. Como resultado deste abismo, a África do Sul é uma  nação em desenvolvimento. No país,a maioria vive da terra ou está mesmo desempregada. O sector informal (por exemplo, venda de legumes e frutas ou produtos caseiros) tem florescido graças à grande percentagem de desempregados.

Comparada com outros países africanos, a produção doméstica na África do Sul é muito elevada. O governo encoraja a população trabalhadora a abrir pequenos negócios ou fábricas. Isto pretende beneficiar o desemprego e tornar a população mais rica. O país é extremamente rico em recursos naturais. A exportação destas matérias-primas é crucialmente importante para a economia sul africana. Os principais minérios são diamante, manganésio,ouro, prata, cobre, ferro, crómio e urânio. Importantes parceiros comerciais são os  Estados Unidos, Alemanha, Japão e Grã Bretanha.  A África do Sul importa sobretudo meios de transporte, maquinaria, petróleo e produtos químicos. Alguns criam mexilhões, trutas e ostras.

O governo sul-africano pretende aumentar o crescimento económico. A sua política não tem como objectivo diminuir a diferença entre ricos e pobres. No entanto, esta diferença é uma barreira ao progresso económico. Além dos altos níveis de desemprego, a epidemia de SIDA coloca sérios problemas. Muita gente morre jovem. A corrupção e o crime são também problemas económicos.

A moeda da África do Sul éo Rand (ZAR). Um euro vale cerca de 7,5 rands

Geografia e clima

A África do Sul está situada no sul do continente africano. O país faz fronteira com a Namíbia, Botswana, Zimbabwe, Moçambique, Swazilândia e Lesoto. A Swazilândia está quase completamente rodeada pela África do Sul. Além do mais, o país tem uma costa de quase 3.000 quilómetros de comprimento. A ocidente tem o oceano Atlântico e a oriente, o Índico. A sua superfície total supera os 1,2 biliões de quilómetros quadrados. O rio Orange é o mais importante do país. Outros rios grandes são o Vaal, o Limpopo e o Tugela.

A África do Sul tem nada menos do que três capitais. Pretória é a capital administrativa. Cidade do Cabo é a capital legislativa e Bloemfontein a capital judicial. Joanesbrugo é a maior cidade do país. Outras cidades importantes são Bisho, Kimberley, Mafiken, Nelspruit, Polokwane e Ulundi.

A paisagem sul-africana é diversificada. O interior é constituído sobretudo por planícies altas. Esta zona é escassamente povoada. A planície costeira é estreita e ao longo das suas margens há elevações íngremes. Os vales entre as cadeias montanhosas são bons para o cultivo de frutas e vinha. Nas planícies costeiras estão os lagos e a foz dos rios. Estas áreas desempenham um importante papel na pesca. O noroeste da África do Sul é desértico. A faixa costeira oriental é subtropical. É aqui que se cultivam os frutos tropicais.

Tal como a paisagem, o clima é muito diversificado, existindo várias zonas climáticas. O sul e o oriente têm clima marítimo. Característica destas áreas é a precipitação durante todo o ano. A zona em volta de  Cidade do Cabo tem um clima mediterrânico com verões muito quentes e invernos quentes com muita chuva. A ocidente existe clima desértico. No norte (perto da fronteira com o Zimbabwe e Moçambique) o clima é sub-tropical com verões muito quentes e invernos cálidos. À volta da fronteira com o  Botswana e o Zimbabwe existe um clima de estepe. No interior, o mês mais quente é Janeiro, na costa é Fevereiro. O inverno começa em Junho mas em geral, Julho é o mês mais frio. Em todo o país, a temperatura média anual fica entre 16 e 21 graus centígrados e, de forma geral, há poucas chuvas. Estas caiem especialmente na parte oriental do país.

Trânsito e infra-estrutura

A rede de transportes na África do Sul é extensa e bem desenvolvida. Auto-estradas, combóios e aeroportos modernos fazem com que viajar no país seja confortável. Muitos navios são recebidos nos modernos portos. O país tira partido da sua localização favorável entre a América e a Ásia.  Durban é o porto sul africano mais importante. Também o maior de todo o continente. Além de Durban, há outros importantes portos marítimos, por exemplo, Cidade do Cabo, Port Elizabeth, East-London e Richardsbaai.

A rede ferroviária é usada basicamente para transporte de mercadorias. Existem também combóios de passageiros. Estes cobrem grandes distâncias. A Spoornet é o maior operador ferroviário da África do Sul. Os grandes centros urbanos têm frequentemente redes rodoviárias e ferroviárias próprias. Viajar de combóio é confortável. Para grandes distâncias, é mais comum usar o combóio do que o autocarro. Estes operam mais a nível local. É também costume viajar distâncias curtas em táxi-van

A companhia aérea nacional é a South African Airways (SAA). Outras companhias são a South African Express e a South African Airlink. Os aeroportos mais importantes são Aeroporto de Joanesburgo, Aeroporto da Cidade do Cabo e Aeroporto de Durban. Estes aeroportos são usados para voos intercontinentais. Seis importantes aeroportos nacionais são  Aeroporto de Port Elizabeth, Aeroporto de East-London, Aeroporto George, Aeroporto de Kimberly, Aeroporto de Upington e Aeroporto de Bloemfontein. Estes são usadospara voos dentro de África.

As grandes distâncias na África do Sul podem ser facilmente viajadas de carro. O país tem uma rede viária bem desenvolvida. Entre as maiores cidades e os países vizinhos existem auto-estradas. Também há estradas com portagem e estradas más. Acontecem muitos acidentes na estrada. Desaconselha-se a viajar durante a noite.

Zona horária

A África do Sul está na zona horária da África Central (CAST) (GMT+2). Por esta razão os visitantes europeus muito provavelmente não sentirão jet lag. Tenha presente que é verão na África do Sul quando é inverno no hemisfério norte, e vice-ersa!

Comida e bebida

Graças aos muitos imigrantes, a cozinha sul africana é uma mistura de várias culturas. Nas cidades, muitos restaurantes servem pratos não só tradicionais africanos,mas também dos países africanos vizinhos. Há também restaurantes chineses e italianos. Comer fora na África do Sul é relativamente barato.

A população adora fazer assados. São realmente amantes de carne.O  "Boerewors" é um dos pratos: carne assada ou frita. Nas zonas costeiras há muitos pratos de peixe. Pratos famosos são bobotie, potlieko e biltong. O bobotie é um prato de carne agridoce. No passado, era particularmente comido por escravos  e agricultores pobres. O potlieko é um estufado. Vegetais e carne são cozinhados ao lume numa panela de ferro. O biltong é um típico snack sul africano: fatias de carne seca (e condimentada).

Os vinhos sul africanos são deliciosos e bem conhecidos no mundo. No entanto, a cerveja é a bebida nacional e há uma variedade de marcas locais disponíveis. Em muitos lugares é possível beber água da torneira, mas recomenda-se o consumo de água engarrafada.

Alojamento

Este país oferece alojamento único! Nas grandes cidades encontra-se uma variedade de hotéis por um preço médio diário de € 30. Existem também inúmeras formas de viver a cultura africana, por exemplo, num "lodge" num lindo cenário natural africano. É mesmo possível passar a noite numa reserva de vida selvagem. Os excursionistas podem alojar-se em albergues ou quintas. Os albergues custam pouco mais de € 8 por noite. Além disso, há Bed & Breakfast em todo o país. Ao longo da costa e grandes rios existem vários parques de campismo. E também parques de caravanas para turistas que não têm tenda.

Fontes externas

Para mais informações sobre a África do Sul, recomendamos Google e as seguintes fontes externas: