Dinamarca de aluguer de carros

Poupe tempo e dinheiro. Nós comparamos as ofertas das empresas de aluguer de carros em Dinamarca por si.

Para usar este sítio Web, o seu computador precisa aceitar cookies.

Nós comparamos todos os fornecedores mais conhecidos

Aluguer de carros Dinamarca

EasyTerra Aluguer de Carros Dinamarca é um sítio Web independente de comparação de aluguer de carros. O nosso sistema compara tarifas de empresas bem conhecidas, assim o cliente pode reservar sempre o seu carro connosco a uma tarifa competitiva.

Informação do lugar por Dinamarca

Introdução 

A Dinamarca é um país com água em abundância, amplamente rodeado por mares. Isso significa que você pode desfrutar de agradáveis passeios de barco e deliciosos pratos com peixes. Os amantes da cultura podem visitar castelos, estátuas e museus. Além disso, há muitos resquícios da época dos vikings. A Dinamarca é um destino de férias adequado para famílias com crianças pequenas. A Legolândia é uma famosa atracção que nenhum visitante da Dinamarca deveria perder. Além disso, há diversas praias de areia muito bonitas.

História

Como a Noruega e a Suécia, a Dinamarca foi habitada pelos vikings do século IX ao século XI. O vikings eram conhecidos por sua tendência a saquear outras partes da Europa. No final do século X, os reis dinamarqueses conseguiram conquistar a Suécia. A monarquia foi muito importante na Dinamarca e o rei ocupava um cargo poderoso. No século XIII, a nobreza decidiu restringir os poderes do rei; o rei Erik V foi forçado a assinar um estatuto, que foi considerado a primeira constituição do país.

Em 1397, a Dinamarca, a Suécia e a Noruega foram unidas em uma monarquia: a União de Kalmar. A união foi formada pela rainha dinamarquesa Margarita. Os suecos não concordaram com a centralização do poder na Dinamarca, o que levou à dissolução da união em 1532. Entretanto, a Noruega continuou a fazer parte da Dinamarca. Em 1536, Christian III adoptou o Luteranismo como a religião do estado da Dinamarca.

Desde a separação da união de Kalmar, a Dinamarca esteve em guerra continuamente com a Suécia. Em terra, os suecos eram mais fortes; no mar, os dinamarqueses eram invencíveis. Tanto a Suécia quanto a Dinamarca conseguiram conquistar grandes áreas. Durante o século XVIII, a Dinamarca também envolveu-se em conflitos com outros países da Europa. A frota inglesa era perigosa, e a Rússia ficou do lado da Inglaterra. A Dinamarca foi forçada a cooperar com os franceses, governados por Napoleão. Depois da derrota de Napoleão, a Dinamarca foi severamente castigada por apoiar a França: foi obrigada a dar a Noruega para a Suécia.

A Dinamarca deixou de ser uma das maiores potências e teve que entregar todas as suas colónias. Em 1839, Christian VIII se tornou o rei da Dinamarca. Embora ele desejasse poder absoluto, a população resistia cada vez mais ao poder da monarquia. Christian decidiu modificar a constituição de forma que a Dinamarca se tornasse gradualmente uma democracia parlamentar. Em 1848, Frederik VII aboliu totalmente a monarquia. Depois disso, houve uma série de guerras sobre quem controlava parte da Dinamarca/ parte da Alemanha Schleswig-Holstein. Os dinamarqueses perderam a segunda guerra de Schleswig e tiveram que dar a área para os alemães.

Durante a primeira Guerra Mundial, a Dinamarca permaneceu neutra. Durante a segunda Guerra Mundial, a Dinamarca tentou permanecer neutra novamente, mas em 1940 a Alemanha invadiu a Dinamarca e ocupou o país por cinco anos. Depois da segunda Guerra Mundial, a Dinamarca se tornou membro das Nações Unidas. Em 1973, também se tornou membro da União Europeia. Apesar disso, a relação do país com a UE é delicada. Quando outros países decidiram trocar a moeda nacional e adoptar o euro como moeda, a Dinamarca decidiu ir em contra de tal movimento.

Sociedade e cultura

A Dinamarca tem cerca de 5,5 milhões de habitantes, e 85% deles mora ao redor de áreas urbanas. O resto mora nas ilhas dinamarquesas, na península da Jutlândia e nas áreas semi-autónomas da Gronelândia e das ilhas Faroé. A densidade média populacional é de 126 pessoas por quilómetro quadrado. Há apenas uma pequena percentagem de estrangeiros na Dinamarca, principalmente de alemães e escandinavos.

A maior parte dos dinamarqueses fala dinamarquês. Existem vários dialectos. A Gronelândia e as ilhas Faroé têm seus próprios idiomas (gronelandês e faroês). Na Jutlândia do Sul, as pessoas também falam alemão. O dinamarquês está relacionado a outras línguas escandinavas. Muitos dinamarqueses falam inglês, além do dinamarquês.

A igreja nacional da Dinamarca é a igreja luterana-evangélica. Cerca de 85% pertencem a essa religião. Outros são católicos romanos, protestantes, judeus ou muçulmanos. Na sociedade dinamarquesa actual, a religião já não tem um papel central.

Na Dinamarca, há muitas coisas que remontam à época em que os Vikings comandavam o país. Existem vários museus que exibem artefactos arqueológicos. Além disso, o design dinamarquês é famoso em todo o mundo, e se caracteriza por suas linhas simples e pela ausência de detalhes. Os amantes do teatro se divertirão muito em Copenhaga. Uma atracção turística muito conhecida é o parque temático Legolândia (em Billund, um mundo miniatura feito inteiramente com Lego. Muitos turistas também visitam a estátua do famoso Hans Christian Andersen. Ele é conhecido em todo o mundo por suas lindas histórias e contos de fadas.

Situação política

A Dinamarca é uma monarquia constitucional chefiada pela Rainha Margarida II. O poder da rainha é limitado. Junto com o parlamento, chamado Folketing, ela controla o poder legislativo. O parlamento consiste de uma câmara com 179 membros. Quarenta lugares são reservados a partidos que não conseguiram atingir o limite eleitoral. A Gronelândia e as ilhas Faroé também têm dois lugares. As eleições parlamentares ocorrem a cada quatro anos. Toda a população dinamarquesa maior de 18 anos pode votar. De tempos em tempos também são feitos referendos.

A rainha e os ministros são responsáveis pelo poder executivo. Os ministros são responsáveis pelo parlamento. O primeiro ministro Anders Fogh Rasmussen é o actual chefe de governo.

Na Dinamarca existem vários partidos. Nenhum partido obteve até hoje a maioria absoluta dos votos. Desde 1945, o partido social-democrata teve um papel importante. Actualmente, os social-democratas lideram os partidos de oposição. Os liberais, os conservadores e o partido popular dinamarquês obtiveram a maioria dos votos e formaram uma coalizão.

Na Dinamarca, há 275 municípios divididos em 14 províncias. Assim como o parlamento, os governos municipais e provinciais são eleitos de quatro em quatro anos. O prefeito é eleito pelos membros da câmara municipal.

Economia

Originalmente, muitos dinamarqueses viviam da agricultura. Depois da Segunda Guerra Mundial, a indústria se tornou mais importante, e actualmente a agricultura contribui com apenas 5% do PIB do país. Alguns importantes produtos agrícolas são o açúcar, a batata e o nabo. Muitos produtos agrícolas são exportados a outros países da UE.

Além de produtos agrícolas, a Dinamarca também exporta muito peixe. A indústria pesqueira da Dinamarca é muito ampla. Outros produtos de exportação são alimentos, químicos, máquinas e metais. A Dinamarca exporta para países da UE (principalmente Alemanha e Suécia) e os Estados Unidos. Por outro lado, ela importa veículos, combustível e máquinas, principalmente da Alemanha, da Suécia e da Noruega.

Nos últimos anos, a economia dinamarquesa cresceu. Em 2003, a Dinamarca era um dos dez países mais ricos do mundo. A Dinamarca não adoptou o euro como sua moeda nacional. Ela decidiu manter a coroa dinamarquesa (DKK). Os preços na Dinamarca são cera de 10% mais altos que os preços na Holanda.

Geografia e clima

Com uma superfície de mais de 43.000 quilómetros quadrados, a Dinamarca é o menor país da Escandinávia. A Dinamarca situa-se ao norte da Alemanha e consiste de duas partes: a península Jylland (Jutlândia) e a ilha de Sjaeland (Zelândia). A Jutlândia cobre a maior parte da Dinamarca e conecta o país ao continente europeu. A Zelândia é a maior ilha da Dinamarca; é também onde está localizada a capital nacional Copenhaga. A Gronelândia e as ilhas Faroé são parte do Reino da Dinamarca e são áreas com governo completamente independente.

A Dinamarca é um país de águas abundantes e tem uma costa muito extensa, de cerca de 7.300 km, principalmente devido a suas numerosas ilhas (mais de 400!). A costa dinamarquesa é composta de praias de areia, dunas, diques e alagadiços. A Dinamarca faz fronteira com vários mares: o Skagerrak (ao Norte), o Mar do Norte (ao oeste), o Kattegat, o Sont e o Mar do Leste (ao leste). Como a Dinamarca só faz fronteira com a Alemanha ao sul, sua fronteira terrestre total não passa de 67 km.

A Dinamarca tem um clima marítimo moderado. Os ventos do oeste fornecem temperaturas moderadas. O clima é influenciado pela temperatura do Mar do Norte. Isso significa que o Inverno podem ser frio, enquanto o Verão é frequentemente ameno e ensolarado. Fevereiro é o mês mais frio do ano, com temperaturas abaixo de zero. Julho é o mês mais quente, com temperaturas ao redor de 17 graus centígrados. Maio e Junho são os meses mais secos; Agosto, Setembro e Outubro são, em geral, os meses com maior precipitação. A precipitação é menor na península da Jutlândia.

Tráfego e infraestrutura

Há várias formas de entrar e sair da Dinamarca. De carro, a forma mais rápida de chegar é via Bremen e Hamburgo (Alemanha). De várias das grandes cidades da Europa há comboios que vão para Copenhaga. Por exemplo, os comboios internacionais que saem de Paris e Amesterdão. Também é possível visitar a Dinamarca de autocarro.

Um país com a Dinamarca, com toda essa quantidade de água, necessita de excelentes instalações marítima. Existem várias pontes que conectam a Dinamarca com outros países. A ponte mais longa do país conecta Falster com a Zelândia. As ilhas de Funen e da Zelândia estão interligadas por uma conexão de túneis e pontes de 20 quilómetros. Também é possível tomar uma balsa da Dinamarca para a Alemanha, a Suécia, a Noruega em Copenhaga, Aarhus, Aalborg, Fredericia e Esbjerg.

Muitos turistas visitam a Dinamarca de avião. Os dois aeroportos internacionais são Kastrup (o aeroporto de Copenhaga) e Aeroporto de Billund (Jutlândia). De Copenhaga há voos para vários aeroportos nacionais: Aeroporto de Esbjerg, Aeroporto de Aalborg, Aeroporto de Aarhus, Aeroporto de Odense e Ronne. As companhias aéreas dinamarquesas são a Maersk Air e a SAS (Scandinavian Airlines).

As ferrovias são maioritariamente do estado. O comprimento total da rede de ferrovias é de  2.644 quilómetros. O transporte público é bom, e frequentemente é permitido levar bicicletas nos comboios. A malha rodoviária da Dinamarca tem 72.257 km. Somente uma parte das rodovias são auto-estradas (cerca de 1.660 km). Actualmente, dá-se muito mais atenção à infraestrutura da Dinamarca.

Fuso horário

O fuso horário da Dinamarca é GMT +1. Esse é o CET (Central European Time). O horário de Verão acontece entre Abril e Outubro. Durante esse período, os relógios são adiantados uma hora.

Comidas e bebidas

A comida dinamarquesa é saudável e saborosa. Devido à abundância de água, há muitos restaurantes de peixes. O arenque é uma das especialidades da Dinamarca, e pode ser encontrado de diversas formas(defumado, marinado, com molho etc). Uma especialidade dinamarquesa típica é os "smorrebrod" (sanduíches). Wienerbrod é um famoso bolo dinamarquês feito de massa folhada, amêndoas e canela. Outra especialidade dinamarquesa é o "koldt bord" (buffet frio), que consiste de aperitivos quentes e frios. Nas ruas, são vendidas pequenas salsichas vermelhas, muito populares entre os dinamarqueses.

Acompanhando o arenque, muitos dinamarqueses tomam o famoso "Akvavit", um tipo de conhaque que deve ser servido bem gelado. Devido aos altos impostos, as bebidas alcoólicas são, muitas vezes, relativamente caras. A cerveja e o vinho custam o mesmo que no resto da Europa. A Carlsberg é uma cerveja feita na Dinamarca. É recomendável não beber água da torneira; é melhor comprar garrafas de água mineral.

Hospedagem

Devido ao crescimento do sector de turismo, existem muitas formas de hospedagem disponíveis na Dinamarca. Há hotéis de diferentes preços e qualidades em todos os lugares, especialmente em Copenhaga. Na Jutlândia há muitos chalés de férias disponíveis. Também é possível passar a noite em lugares mais baratos: a Dinamarca tem muitos albergues e acampamentos. Se você deseja acampar na Dinamarca, você precisa de um passe de acampamento válido, que você pode comprar em acampamentos de toda a Dinamarca.

Fontes externas

Para obter mais informações sobre a Dinamarca, recomendamos o Google e as seguintes fontes: