África do Sul de aluguer de carros

Poupe tempo e dinheiro. Nós comparamos as ofertas das empresas de aluguer de carros em África do Sul por si.

Para usar este sítio Web, o seu computador precisa aceitar cookies.

Nós comparamos todos os fornecedores mais conhecidos

Aluguer de carros África do Sul

EasyTerra Aluguer de Carros África do Sul é um sítio Web independente de comparação de aluguer de carros. O nosso sistema compara tarifas de empresas bem conhecidas, assim o cliente pode reservar sempre o seu carro connosco a uma tarifa competitiva.

Informação do lugar por África do Sul

Introdução

A África do Sul está localizada no extremo sul do continente africano. Viajar através da África do Sul é uma grande aventura. A paisagem varia de zonas montanhosas a desertos e planícies tropicais. As temperaturas são agradáveis todo ano e, em geral, há pouca chuva. A África do Sul é um país diversificado em mais de um sentido. A diferença entre ricos e pobres é ainda muito grande e existem vários grupos populacionais.

História

A África do Sul é uma das áreas arqueológicas mais antigas de África. Os vestígios encontrados datam de milhões de anos atrás. O país foi habitado por diferentes grupos populacionais, como os Khoi e os San, considerados os habitantes mais antigos de África.

Em 1652, o holandês Jan van Tiebeeck fundou um posto na África do Sul. O objectivo deste posto era armazenar provisões e pertencia à Companhia United East-India (VOC). Muitos navios usavam o posto como uma paragem de descanso no seu caminho para oriente. Mais tarde, famílias mudaram-se para este país africano e o posto começou a assemelhar-se a uma colónia agrícola. Além de holandeses, também alemães, franceses e escoceses  se instalaram na África do Sul. Durante o governo holandês, houve falta de mão-de-obra. Para resolver o problema foram  trazidos escravos da Indonésia, Madagascar e Índia. A cultura da população indígena foi destruída pelos colonos.

Em 1795, chegaram os britânicos. Queriam assegurar-se de que o país não cairia nas mãos dos franceses. Em 1797, ganharam o controle da ponta sudoeste de África: o Cabo da Boa Esperança. Em breve, os britânicos proibiram a escravidão. Seguiu-se um período de instabilidade. Muitos agricultores mudaram-se para o interior e quiseram fundar as suas próprias repúblicas. Um grupo étnico africano, os zulus, revoltaram-se contra isto e conseguiram expulsar os agricultores. Um pouco mais tarde, os britânicos conseguiram efectivamente controlar o território zulu.

Nos finais do século XIX, foram descobertos os diamantes e o ouro. Estas descobertas estimularam o crescimento económico e iniciaram uma onda de imigração. Novos colonos chegaram ao país e a população indígena foi ainda mais subjugada. Os boors (descendentes de holandeses, franceses e alemães, entre outros) revoltaram-se diversas vezes contra o domínio britânico. Estas rebeliões foram chamadas de guerras Boor. Os boors conheciam bem o território e usavam tácticas de guerrilha. Acabaram por ser derrotados pelas tropas britânicas.

Em 1902, foi feito um acordo. Os britânicos ganharam o controle de todas as repúblicas e as escolas foram obrigadas a ensinar inglês. A população não-branca não tinha direito de voto: este foi o fundamento para o que mais tarde veio a ser conhecido como Apartheid. Os boors revoltaram-se uma vez mais: não queriam aprender inglês. A língua Afrikaner começara a desenvolver-se.

Em 1910, foi criada a União da África do Sul reunindo as repúblicas Colónia de Cape, Estado Livre de Orange e Transvaal. Louis Botha tornou-se o primeiro Primeiro Ministro do país. Com Jan Smuts, fundou o Partido Sul Africano. Em 1934, este partido uniu-se com o Partido Nacional formando o Partido Unido. Este partido desmembrou-se com o desencadear da Segunda Guerra Mundial. A União apoiou a Grã Bretanha, mas o Partido Nacional apoiou a Alemanha nazi. Após a Segunda Guerra Mundial, os separatistas de direita (Partido Nacional) ganharam poder na África do Sul. Este partido pretendia aumentar a segregação racial (Apartheid). A população negra tinha poucos direitos. Organizações políticas negras foram eliminadas. Em 1960, a África do Sul tornou-se independente. O país era uma república. A população negra revoltou-se várias vezes contra o Apartheid. O governo respondeu violentamente e muitos foram mortos. Muitos dos oponentes ao Apartheid foram presos. Um deles foi um jovem chamado Nelson Mandela, que viria a ser libertado 27anos mais tarde.

No estrangeiro dava-se muita atenção ao Apartheid. Vários países recusaram-se a negociar com a África do Sul. Em 1990, o governo sul-africano caiu. O Apartheid foi abolido. Nelson Mandela do CNA (Congresso Nacional Africano) foi o ganhador indiscutível das novas eleições. Tornou-se o primeiro presidente negro da África do Sul.

O comércio com o exterior foi retomado e a África do Sul tornou-se membro das Nações Unidas. A saúde e a educação também melhoraram. Hoje, o CNA continua a ser o partido governante. Apesar dos muitos melhoramentos, o país enfrenta  pobreza em larga escala, crime e uma epidemia crescente de SIDA.

Sociedade e cultura

A África do Sul tem cerca de 45 milhões de habitantes. A diversidade de culturas, línguas e religiõesé uma das características do país. Três quartos da população é negra. Estes habitantes pertencem a vários grupos étnicos. Com cinco milhões de pessoas, os zulus são o maior grupo étnico. Outros grandes grupos negros são os Soto-Norte, Soto-Sul, os Xhosa, os Tswana, os Swasi e os Venda. Menos de 14% de toda a população é branca. Descendem dos imigrantes coloniais (holandeses, alemães, franceses e britânicos). A média de esperança de vida entre os brancos é maior do que entre os negros. Cerca de 9% da população é constituída por pessoas de cor, descendentes de escravos africanos e asiáticos dos tempos de domínio holandês. A comunidade encontra-se dividida: uma parte é mais atraída pelos habitantes brancos, enquanto que a outra parte sente-se mais próxima da população negra. Uns 3% da população sul-africana é de origem indiana, descendentes de trabalhadores contratados vindos da Índia britânica. Também desde 1920 que muitos chineses imigraram para a África do Sul.

A maioria da população (mais de 70%) é cristã. Várias igrejas abriram a suas portas  tanto à comunidade negra como à branca. As igrejas negras independentes têm no total mais de 6 milhões de membros. Estas igrejas seguem tradições africanas e opõem-se às convicções europeias. Existem três igrejas para habitantes brancos: a Neder-Duitse GereformeerdeKerk, a Neder-Duitse Hervormde Kerk e a Igreja Reformista de África. A maioria da população indiana é hindu. Outros indianos,e também outros grupos de cor, aderem à fé islâmica. Também existem muitas tribos africanas com os seus rituais indígenas.

No passado, a África do Sul teve duas línguas oficiais: o inglês e o afrikaans. Esta última, desenolveu-se a partir da língua holandesa e ainda se lhe assemelha. Actualmente, não tem menos de onze línguas oficiais: Inglês, Afrikaans, Zulu, Swazi, Ndebele, Soto-norte, Soto-sul, Tsonga, Tswana, Venda e Xhosa. Além destas línguas oficiais, existem muitos dialectos diferentes (por exemplo, os dialectos San). Um pequeno número de sul-africanos fala Alemão e Português,

A imensa variedade de culturas faz da Áfricado Sul um cadinho cultural. A música e a dança, por exemplo, são muito diversas. A música é muito popular e está centrada nos géneros europeus. O país mantém vivas a música e a cultura tradicionais. Infelizmente a cultura tradicional está lentamente a desaparecer.

Situação política

A África do Sul é uma república. O Parlamento é constituído pelo Conselho Nacional das Províncias (com 90 membros) e pela Assembleia Nacional (com 400 membros). De cinco em cinco anos o presidente é eleito pela Assembleia Nacional. Desde 1999 que Thabo Mbeki é o presidente do país. Este elege um vice-presidente entre os membros da Assembleia Nacional. Desde 2005 que Phumzile Mlambo-Ngcuka é o vice-presidente da África do Sul.

A população a partir dos 18 anos de idade tem direito a voto. De quatro em quatro anos o povo elege os representantes da Assembleia Nacional. O país está dividido em nove províncias, cada uma com poder legislativo próprio. Os membros do governo provincial também são eleitos pelo povo.

O actual cenário político é dominado pelo CNA (Congresso Nacional Africano). Este partido foi fundado em 1912 e apoiou os direitos da população negra. A Aliança Democrática (AD) é a principal rival do CNA. No entanto, nas eleições de 2005 o CNA conseguiu 70% dos votos.

Economia

A economia do país é caracterizada pela diferença entre ricos e pobres. Nas maiores cidades e  seus arredores a economia é desenvolvida e moderna. Cidade do Cabo, Port Elizabeth, Durban, Pretória e Joanesbrugo são as áreas mais desenvolvidas. Fora delas existe muita pobreza. A diferença entre pobres e ricos é maior apenas na Índia e no  Brasil. Como resultado deste abismo, a África do Sul é uma  nação em desenvolvimento. No país,a maioria vive da terra ou está mesmo desempregada. O sector informal (por exemplo, venda de legumes e frutas ou produtos caseiros) tem florescido graças à grande percentagem de desempregados.

Comparada com outros países africanos, a produção doméstica na África do Sul é muito elevada. O governo encoraja a população trabalhadora a abrir pequenos negócios ou fábricas. Isto pretende beneficiar o desemprego e tornar a população mais rica. O país é extremamente rico em recursos naturais. A exportação destas matérias-primas é crucialmente importante para a economia sul africana. Os principais minérios são diamante, manganésio,ouro, prata, cobre, ferro, crómio e urânio. Importantes parceiros comerciais são os  Estados Unidos, Alemanha, Japão e Grã Bretanha.  A África do Sul importa sobretudo meios de transporte, maquinaria, petróleo e produtos químicos. Alguns criam mexilhões, trutas e ostras.

O governo sul-africano pretende aumentar o crescimento económico. A sua política não tem como objectivo diminuir a diferença entre ricos e pobres. No entanto, esta diferença é uma barreira ao progresso económico. Além dos altos níveis de desemprego, a epidemia de SIDA coloca sérios problemas. Muita gente morre jovem. A corrupção e o crime são também problemas económicos.

A moeda da África do Sul éo Rand (ZAR). Um euro vale cerca de 7,5 rands

Geografia e clima

A África do Sul está situada no sul do continente africano. O país faz fronteira com a Namíbia, Botswana, Zimbabwe, Moçambique, Swazilândia e Lesoto. A Swazilândia está quase completamente rodeada pela África do Sul. Além do mais, o país tem uma costa de quase 3.000 quilómetros de comprimento. A ocidente tem o oceano Atlântico e a oriente, o Índico. A sua superfície total supera os 1,2 biliões de quilómetros quadrados. O rio Orange é o mais importante do país. Outros rios grandes são o Vaal, o Limpopo e o Tugela.

A África do Sul tem nada menos do que três capitais. Pretória é a capital administrativa. Cidade do Cabo é a capital legislativa e Bloemfontein a capital judicial. Joanesbrugo é a maior cidade do país. Outras cidades importantes são Bisho, Kimberley, Mafiken, Nelspruit, Polokwane e Ulundi.

A paisagem sul-africana é diversificada. O interior é constituído sobretudo por planícies altas. Esta zona é escassamente povoada. A planície costeira é estreita e ao longo das suas margens há elevações íngremes. Os vales entre as cadeias montanhosas são bons para o cultivo de frutas e vinha. Nas planícies costeiras estão os lagos e a foz dos rios. Estas áreas desempenham um importante papel na pesca. O noroeste da África do Sul é desértico. A faixa costeira oriental é subtropical. É aqui que se cultivam os frutos tropicais.

Tal como a paisagem, o clima é muito diversificado, existindo várias zonas climáticas. O sul e o oriente têm clima marítimo. Característica destas áreas é a precipitação durante todo o ano. A zona em volta de  Cidade do Cabo tem um clima mediterrânico com verões muito quentes e invernos quentes com muita chuva. A ocidente existe clima desértico. No norte (perto da fronteira com o Zimbabwe e Moçambique) o clima é sub-tropical com verões muito quentes e invernos cálidos. À volta da fronteira com o  Botswana e o Zimbabwe existe um clima de estepe. No interior, o mês mais quente é Janeiro, na costa é Fevereiro. O inverno começa em Junho mas em geral, Julho é o mês mais frio. Em todo o país, a temperatura média anual fica entre 16 e 21 graus centígrados e, de forma geral, há poucas chuvas. Estas caiem especialmente na parte oriental do país.

Trânsito e infra-estrutura

A rede de transportes na África do Sul é extensa e bem desenvolvida. Auto-estradas, combóios e aeroportos modernos fazem com que viajar no país seja confortável. Muitos navios são recebidos nos modernos portos. O país tira partido da sua localização favorável entre a América e a Ásia.  Durban é o porto sul africano mais importante. Também o maior de todo o continente. Além de Durban, há outros importantes portos marítimos, por exemplo, Cidade do Cabo, Port Elizabeth, East-London e Richardsbaai.

A rede ferroviária é usada basicamente para transporte de mercadorias. Existem também combóios de passageiros. Estes cobrem grandes distâncias. A Spoornet é o maior operador ferroviário da África do Sul. Os grandes centros urbanos têm frequentemente redes rodoviárias e ferroviárias próprias. Viajar de combóio é confortável. Para grandes distâncias, é mais comum usar o combóio do que o autocarro. Estes operam mais a nível local. É também costume viajar distâncias curtas em táxi-van

A companhia aérea nacional é a South African Airways (SAA). Outras companhias são a South African Express e a South African Airlink. Os aeroportos mais importantes são Aeroporto de Joanesburgo, Aeroporto da Cidade do Cabo e Aeroporto de Durban. Estes aeroportos são usados para voos intercontinentais. Seis importantes aeroportos nacionais são  Aeroporto de Port Elizabeth, Aeroporto de East-London, Aeroporto George, Aeroporto de Kimberly, Aeroporto de Upington e Aeroporto de Bloemfontein. Estes são usadospara voos dentro de África.

As grandes distâncias na África do Sul podem ser facilmente viajadas de carro. O país tem uma rede viária bem desenvolvida. Entre as maiores cidades e os países vizinhos existem auto-estradas. Também há estradas com portagem e estradas más. Acontecem muitos acidentes na estrada. Desaconselha-se a viajar durante a noite.

Zona horária

A África do Sul está na zona horária da África Central (CAST) (GMT+2). Por esta razão os visitantes europeus muito provavelmente não sentirão jet lag. Tenha presente que é verão na África do Sul quando é inverno no hemisfério norte, e vice-ersa!

Comida e bebida

Graças aos muitos imigrantes, a cozinha sul africana é uma mistura de várias culturas. Nas cidades, muitos restaurantes servem pratos não só tradicionais africanos,mas também dos países africanos vizinhos. Há também restaurantes chineses e italianos. Comer fora na África do Sul é relativamente barato.

A população adora fazer assados. São realmente amantes de carne.O  "Boerewors" é um dos pratos: carne assada ou frita. Nas zonas costeiras há muitos pratos de peixe. Pratos famosos são bobotie, potlieko e biltong. O bobotie é um prato de carne agridoce. No passado, era particularmente comido por escravos  e agricultores pobres. O potlieko é um estufado. Vegetais e carne são cozinhados ao lume numa panela de ferro. O biltong é um típico snack sul africano: fatias de carne seca (e condimentada).

Os vinhos sul africanos são deliciosos e bem conhecidos no mundo. No entanto, a cerveja é a bebida nacional e há uma variedade de marcas locais disponíveis. Em muitos lugares é possível beber água da torneira, mas recomenda-se o consumo de água engarrafada.

Alojamento

Este país oferece alojamento único! Nas grandes cidades encontra-se uma variedade de hotéis por um preço médio diário de € 30. Existem também inúmeras formas de viver a cultura africana, por exemplo, num "lodge" num lindo cenário natural africano. É mesmo possível passar a noite numa reserva de vida selvagem. Os excursionistas podem alojar-se em albergues ou quintas. Os albergues custam pouco mais de € 8 por noite. Além disso, há Bed & Breakfast em todo o país. Ao longo da costa e grandes rios existem vários parques de campismo. E também parques de caravanas para turistas que não têm tenda.

Fontes externas

Para mais informações sobre a África do Sul, recomendamos Google e as seguintes fontes externas: